FALE CONOSCO

MATRIZ ARARANGUÁ
(48) 3521-0400

FILIAL TUBARÃO
(48) 3631-0600

Filial Orleans
(48) 3631-0606

EXPEDIENTE:
Segunda a Sexta:
das 8h às 22h
Sábados:
das 9h às 22h
Domingos e Feriados:
das 9h às 12h
e das 13:30h às 22h

ENVIE SUA NOTÍCIA

CADASTRE SEU CURRICÚLO

TVS E VÍDEOS

GALERIA DE IMAGENS

DÚVIDAS

1. Qual a velocidade que eu consigo alcançar com a Banda Larga da Contato?

Você poderá utilizar os planos de banda larga da Contato Internet com planos que vão de 400Kbps até 20Mbit/s. As velocidades contratadas são as máximas possíveis do cliente até a Contato, podendo sofrer oscilações devido a fatores externos. Em um plano de 8Mbit/s, por exemplo, você terá velocidades de download até 1000Kbytes/s. Essa diferença ocorre pois o plano de acesso é medido em bits, e a velocidade de download é medida em Kbytes. Para maiores informações sobre o assunto: http://pt.wikipedia.org/wiki/Byte.

2. Eu vou ficar conectado à Internet 24 horas?

Sim. A internet ficará disponível 24 horas por dia, com exceção para os usuários do serviço “Contato Express Noturno”, que atualmente não é mais comercializado.

3. Eu posso utilizar meu telefone fixo enquanto estiver na Internet?

Sim. Você pode usar seu telefone e navegar na Internet ao mesmo tempo, sem nenhuma interferência na conexão. Inclusive, com a banda larga da Contato você não precisa mais de sua antiga e cara linha telefônica, fornecemos para você um telefone fixo gratuito, você paga somente o consumo mensal no formato de créditos pré-pagos, com compromisso mensal de apenas R$ 14,90. Consulte maiores informações no site do serviço Contato Fone.

4. O que eu preciso para assinar a Contato Banda Larga?

Estar em uma área de cobertura da Contato Banda Larga e ter um computador com placa de rede, que geralmente já vem integrada ao computador.

5. Como eu faço para assinar a Contato Banda Larga?

Você pode solicitar a ativação do serviço clicando aqui, ou ligando para o telefone para (48) 3521-0400.

6. O serviço de Internet Banda Larga da Contato pode ser ligado em rede?

Sim. Nosso sistema é totalmente compatível com redes, não sendo necessária nenhuma alteração na estrutura já existente na casa ou empresa do assinante.

7. Além da mensalidade de acesso, ainda tem mais algum custo mensal?

Não. Para acessar com a Contato Banda Larga você só paga a mensalidade. Você estará isento de mensalidade de provedores, linha telefônica, etc. O custo é fixo, independente de quanto tempo você usar.

8. Qual o prazo de instalação?

Após a confirmação do pedido, a Contato Internet terá até 15 dias para efetuar a instalação. Mas nada impede de que seja instalado muito antes do final do prazo. O prazo também poderá ser afetado devido a condições climáticas.

9. Quais equipamentos serão instalados para disponibilizar minha conexão com a Internet?

Depende do local de instalação. Em condomínios é instalada uma antena no topo do prédio e o sinal é enviado via cabo para a placa de rede do computador do assinante. Em imóveis individuais ou empresas é instalada uma antena e uma placa de recepção no computador do cliente, ou, uma antena com rádio integrado, onde o sinal é enviado via cabo até o computador ou rede do assinante.

10. Tenho que pagar uma nova instalação caso mude de imóvel?

Não se trata de uma nova instalação, e sim do recolhimento do equipamento no local antigo, e reinstalação no novo endereço. A mudança de endereço estará sujeita a avaliação de disponibilidade de sinal no novo endereço.

11. Tenho que pagar uma nova taxa de instalação caso mude o computador de cômodo?

Não. Neste caso não é necessária uma nova taxa de instalação, porque possivelmente não será necessário alterar a posição dos equipamentos de recepção de sinal. Essa mudança deverá ser feita por um técnico de informática de confiança do assinante. Caso seja necessário alterações na posição dos equipamentos de recepção de sinal entre em contato com o nosso Suporte Técnico para avaliar sua solicitação.

12. Como vou saber se o meu bairro está na área de cobertura com disponibilidade de Contato Banda Larga?

Você pode nos consultar, entrando em contato pelo número (48) 3521-0400.

13. Se eu quiser mudar o plano da Contato Banda Larga, vou ter que pagar nova taxa de instalação?

Não. Somente será cobrado o valor de atualização de equipamentos em mudanças para planos que exijam equipamentos diferentes dos já instalados.

14. Como é feita a cobrança da mensalidade?

Você pode optar por débito automático em conta bancária, ou boleto bancário. O boleto é enviado via e-mail, para que você imprima (ou anote o código de barras) e pague nas agências bancárias, casas lotéricas ou na Contato Internet.

15. Em caso de falta de energia elétrica, o acesso continuará funcionando?

Sim. Desde que o computador do assinante e o equipamento de recepção de sinal estejam conectados a um no-break.

16. A Internet Banda Larga da Contato é segura?

Sim, o sistema é seguro. A rede é protegida por um eficiente sistema de firewall, e o usuário tem a disposição também o sistema de controle de acesso, que pode bloquear todo o conteúdo indesejado, e aumentar consideravelmente a segurança. Vale lembrar que o usuário NÃO deve modificar as configurações de rede de sua máquina, pois uma configuração errada pode facilitar invasões, assim como em qualquer outro sistema. Recomendamos também sempre ter um antivírus ativo e atualizado.

17. Quais as vantagens da Internet Banda larga da Contato em relação a outra tecnologias disponíveis atualmente?

- Não há a necessidade de instalar cabeamento, já que a conexão chega até o assinante sem fio, e pode também ser transmitida dentro da residência ou empresa sem fio;
- Não precisa de modem, pois o sinal é distribuído internamente (via rede) - apenas uma placa de rede (disponível em quase todas as placas-mãe) já é suficiente;
- Não precisa de provedor;
- Velocidades altíssimas de download e upload;

  • Tempo em
  • Variação de Nebulosidade
  • mín
    18ºmax

17 julho 2017 | 15:05

O Estado e a razão

“Toda ideia que se condensa num chavão torna-se imediatamente estúpida, se é que já não o era desde o início e por isso mesmo se acomoda tão confortavelmente nesse formato”.

Araranguá | Por Olavo de Carvalho
Foto: Pixabay.

Foto: Pixabay.

Olavo de Carvalho
Diário do Comércio, 11 de julho de 2015

Toda ideia que se condensa num chavão torna-se imediatamente estúpida, se é que já não o era desde o início e por isso mesmo se acomoda tão confortavelmente nesse formato.

Há anos ouço falar de “enxugar o Estado”. À primeira vista, parece a resposta lógica natural à constatação de que os problemas do Brasil provêm de a sociedade civil ser muito débil e o Estado muito forte – tão forte que consegue subjugar as organizações da sociedade civil.

O PT jamais teria conseguido concentrar tanto poder sem a ajuda da OAB, da CNBB e de milhares de ONGs que, nascidas da iniciativa social espontânea, acabaram se transformando numa espécie de funcionalismo público informal. O sujeito vê isso acontecendo e exclama: “Enxugar o Estado!”

Parece sensato, mas há um problema: Quem enxugará o Estado? O próprio Estado. Enxuga-se privatizando. E, na medida em que privatiza, cria uma rede de cumplicidades privadas que estenderão o poder do Estado – agora anônimo, informal e quase invisível – até os últimos confins da vida social.

Tudo converge no sentido da constante histórica descrita por Bertrand de Jouvenel no seu clássico Du Pouvoir: Histoire Naturelle de Sa Croissance: Haja o que houver, façam os seus inimigos o que fizerem, o poder do Estado sempre cresce. Cresce quando centraliza, cresce quando se divide e se dispersa, cresce quando faz e quando desfaz, cresce agindo e cresce dormindo.

As análises liberais correntes que repetem ad nauseam o grito de alerta de José Ortega y Gasset, “El mayor peligro, el Estado! ” estão certíssimas, no essencial, mas pecam por imaginar que o poder crescente do Estado se baseia sobretudo em mecanismos materiais de controle, como o monopólio da força física ou da economia.

A grande força do Estado moderno não está nisso, mas em algo que Hegel percebeu melhor do que ninguém: o Estado é a mais vasta e complexa criação da inteligência humana, a encarnação suprema da Razão.

Comparado à organização estatal, mesmo o conjunto das ciências existentes não passa de uma mixórdia de teorias contrapostas, grupelhos em disputa e preferências irracionais.

Cada ciência pode ser muito racional no seu próprio terreno, mas não existe nem pode existir uma articulação teórica integral, uma organização interna e científica do conjunto das ciências.
O único princípio unificador desse conjunto é de ordem administrativa e burocrática. É o Estado. Tanto que uma teoria científica, por mais cientistas que a endossem, só adquire a autoridade pública de uma verdade universalmente reconhecida quando vem a ser absorvida pelo Estado e incorporada na legislação.

Acima da comunidade científica, acima da “opinião pública” mais letrada que se possa imaginar, o Estado é o juiz supremo e final de todos os conhecimentos humanos.

Contra uma entidade assim constituída, em vão esperneará o economista argumentando que a economia liberal é mais eficiente do que uma economia estatizada. Pois a economia não passa de uma ciência entre outras, e nenhuma ciência poderá jamais se sobrepor ao conjunto de todas elas, no topo do qual brilha a Razão encarnada no Estado.

O Estado torna-se assim o juiz último de todas as questões humanas, e não somente daquelas assinaladas na definição jurídico-formal da sua “área de competência”.

A consequência prática é que mesmo aqueles que desejariam ardentemente diminuir os poderes do Estado não veem outra maneira de fazê-lo senão por meio do próprio Estado, e suas belas intenções acabam sendo trituradas pela máquina da racionalidade estatal.

Agora mesmo, no Brasil, quando tantos se queixam do Estado comunopetista invasivo e onipotente, não enxergam outra maneira de livrar-se dele senão pela disputa parlamentar e judicial, pela reforma das leis e instituições e, em suma, pela ação dentro do Estado.

Com isso, a sociedade civil torna-se ainda mais fraca, mais incapaz de organizar-se e agir. Esse círculo vicioso não será quebrado enquanto o monopólio estatal da razão não for desmascarado. Como fazer isso, é tema que ficará para um artigo vindouro.

*Confira mais textos no site do autor.

Colunistas
  • Cristiano Brasil
    Cristiano Brasil
    Canal Financeiro
  • Frank Becker
    Frank Becker
    Papo Educação
  • Khaled Salama
    Khaled Salama
    Mundo Corporativo
  • Luiz Llantada
    Luiz Llantada
    Pensata
  • Maiara Possamai
    Maiara Possamai
    Em Pauta
  • Maíra Rabassa
    Maíra Rabassa
    Jovem e atual
  • Olavo de Carvalho
    Olavo de Carvalho
    Filósofo e jornalista
  • Rafael Vieira Lemos
    Rafael Vieira Lemos
    Em Atividade
  • Tadêu Santos
    Tadêu Santos
    Cidadania Ambiental
  • Treissi Amorim
    Treissi Amorim
    Você em destaque
  • Vanessa Irizaga
    Vanessa Irizaga
    Mistura Alternativa